Estudo aponta que chuva excessiva diminui o crescimento econômico
Cientistas do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK) e do Mercator Research Institute on Global Commons and Climate Change (MCC) resolveram comparar o crescimento econômico dos paí
www.em.com.br. Adicionado em 17/1/2022

Cientistas do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK) e do Mercator Research Institute on Global Commons and Climate Change (MCC) resolveram comparar o crescimento econômico dos países com a quantidade anual de dias chuvosos e de dias com chuvas excessivas em cada um deles.

 
O resultado foi uma correlação ainda não explorada nos estudos sobre mudanças climáticas: quanto mais chove, especialmente quanto mais precipitação excessiva, menos a economia local cresce. Isso impacta, especialmente, os setores de serviços e indústria e tem mais força em países desenvolvidos, como Estados Unidos, Japão e Alemanha. Foram analisados dados de mais de 1,5 mil regiões ao redor do globo ao longo de 40 anos.
Além da relação entre crescimento e precipitação, os pesquisadores também estabeleceram uma ligação entre o aumento da poluição por queima de combustíveis fósseis e a má distribuição das chuvas ao longo do ano.
 
Os cientistas argumentam que além do impacto direto e de curto prazo, quando é preciso reconstruir áreas inteiras de cidades alagadas ou reconstruir a rede elétrica, por exemplo, esse tipo de fenômeno gera um efeito indireto a longo prazo.
 
"Trata-se de prosperidade e, em última análise, dos empregos das pessoas. As economias em todo o mundo são desaceleradas por mais dias úmidos e chuvas diárias extremas - uma visão importante que contribui para nossa crescente compreensão dos verdadeiros custos das mudanças climáticas", explicou o pesquisador Leonie Wenz, que liderou o levantamento.
O artigo foi publicado na revista Nature desta semana e foi a capa da edição que chegou às bancas na quarta-feira (12/1). Wenz indicou que essa é uma abordagem incomum dos dados quando se analisa os efeitos das mudanças climáticas e que é preciso observar a relação entre economia e eventos climáticos em um intervalo de tempo menor do que vem sendo feito até aqui para entender o quadro completo. Não se trata de dizer que a chuva em si é ruim, argumenta ele.
 
"Enquanto mais chuvas anuais são geralmente boas para as economias, especialmente as dependentes da agricultura, a questão também é como a chuva é distribuída ao longo dos dias do ano. A intensificação das chuvas diárias acaba sendo ruim, especialmente para países ricos e industrializados como os EUA, Japão ou Alemanha", detalhou.

Fonte: www.em.com.br

 

Diretoria triênio 2022/2025
Por: Christian Henrique Ferreira Costa
+ artigos
Webdevelper. Institucional Notícias Fórum de Discussão Associe-se Fale Conosco